Veja mais


24/03/2017
Mais pela democracia

--------------------------------------------


17/03/2017
O povo merece respeito

--------------------------------------------


10/03/2017
Críticas e avaliações

--------------------------------------------


03/03/2017
Abismo da consciência

--------------------------------------------


24/02/2017
Cidadania e lideranças

--------------------------------------------


17/02/2017
Ética civil soberana

--------------------------------------------


10/02/2017
Pela força da palavra

--------------------------------------------


03/02/2017
Recuperar as instituições

--------------------------------------------


27/01/2017
Encantar-se com a verdade

--------------------------------------------


20/01/2017
Mineiros e seu Santuário

--------------------------------------------


13/01/2017
Frear as banalizações

--------------------------------------------


06/01/2017
Uma política para a paz

--------------------------------------------


30/12/2016
Por um Ano Novo

--------------------------------------------


23/12/2016
Natal: acenda sua luz

--------------------------------------------


16/12/2016
Crise na representação

--------------------------------------------


09/12/2016
Advento, um tempo novo

--------------------------------------------


02/12/2016
Acolher uma nova vida

--------------------------------------------


25/11/2016
A caminho com Francisco

--------------------------------------------


18/11/2016
Evangelho da tolerância

--------------------------------------------


11/11/2016
Painel de escolhas

--------------------------------------------

Ver Todas [+]

Liturgia

Palavra da Igreja > Artigo do Arcebispo

Princípios e ideologias

12/06/2015


Dom Walmor Oliveira de AzevedoA sociedade brasileira, obviamente no contexto mundial, mais amplo, está também desafiada a avaliar no conjunto de suas crises a configuração das colisões entre princípios éticos e ideologias. Esses embates precisam ser administrados com o mínimo de racionalidade para não se correr o risco de polarizações que vão acelerar processos de intolerância. Deve, sempre, sobressair o exercício do entendimento, cujo ponto de partida é a preservação de princípios inegociáveis, o que inclui o respeito incondicional ao outro.

Ao assumir posturas ideológicas, não se pode “passar por cima”, desrespeitosamente, de valores e princípios de outras pessoas, de diferentes segmentos da sociedade nas suas configurações religiosas, sociais e políticas. O desrespeito, certamente, é uma das fontes da crise humanística e comunitária. Suas consequências podem ser irreversíveis: ódio, disputa e permissividade que comprometerão o mínimo de civilidade e de convívio fraterno.  Aliás, a sociedade brasileira, com seus diferentes grupos, já está sofrendo com situações que expõem radicalismos e fundamentalismos.  Evidentemente, esses episódios tornam a paz mais distante. Há uma facilidade irracional para agredir, acusar e espalhar mentiras. Ações que ferem o tecido da cultura brasileira e ganham amplitude nas redes sociais e nos tradicionais meios de comunicação.

Eventos públicos, como os recentemente realizados nas grandes capitais do país, não podem agredir símbolos religiosos e misturar o direito de defesa de perspectivas com atitudes hostis. A ordem pública tem que se posicionar para que as banalizações não tomem conta da sociedade, um processo perigoso que corrói o núcleo da consciência coletiva.   O que movimentos e grupos promoveram, por exemplo, nas ruas de São Paulo, é ofensa aos cristãos, pois se trata de banalizar os símbolos religiosos, um ato irracional. A defesa da pluralidade não justifica e não confere direito a qualquer grupo ou pessoa de assumir posturas marcadas por intolerâncias.

Os cristãos têm o direito e o dever de mostrar que a defesa de uma sociedade plural passa por um caminho diferente do que é trilhado por quem busca agredir a fé. Não se conquista a paz e o respeito ferindo princípios de uma confissão religiosa, ainda mais de maneira debochada. Diante do ocorrido em São Paulo, todo cristão é chamado a expressar ainda mais os princípios de sua fé.  Deixar ficar por isso mesmo, sem esse educativo protesto, é ser conivente com um processo que, à primeira vista, parece ser aceitável como expressão democrática. Contudo, trata-se de uma precipitação tácita e perigosa da sociedade num caos produzido pela relativização abominável de princípios e valores.

É hora, portanto, de um alerta geral. Os deboches e desrespeitos promovidos por parte de um grupo - que merece ser respeitado, cada um de seus integrantes reconhecidos em sua dignidade humana -, é a “ponta de um iceberg”. Revela posturas que não podem passar despercebidas. A sociedade, com seus diversos segmentos, tem o desafio de acompanhar o processo em curso para se posicionar sobre importantes temas. Em especial, a respeito da inclusão da chamada ideologia de gênero nas diretrizes da educação nacional, um tema que ainda não é de domínio público. No horizonte dessa mudança, entre outros pontos, a escola - e não a família -, teria a tarefa de ajudar o menino ou a menina a discernir a sua identidade sexual. Isto significa passar por cima de dimensões antropológicas e éticas que são valores inegociáveis no âmbito da moral e da confissão religiosa cristã.

Esse tema traz impactos na vida de muitas pessoas. É um alerta para a indispensável participação de diferentes segmentos da sociedade, para que não se pague o alto preço por negociar princípios em razão de ideologias. Urge, portanto, conhecer os muitos processos que estão em rota de colisão com o bem da sociedade para detê-los. Quem ainda desconhece essas questões deve buscar orientação e informações. Ainda há tempo para firmar um posicionamento.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

 
Compartilhe:

Arquidiocese de Belo Horizonte | Cúria Metropolitana

Av. Brasil, 2079 | Bairro Funcionários | CEP 30140-007 | Belo Horizonte - MG
Geral: 31 3269-3100 | Mitra: 31 3269-3131 | Chancelaria: 31 3269-3103